ECONOMIA - Economia Brasileira

09/11/2018🌐Jorge Gondim 

Agropecuária nem cresceu nem recuou no 2º tri

Economia Brasileira atual, dados de 2016, 2017 e 2018, resumo, índices, desemprego, exportações, importações, inflação, PIB, setores da economia, comércio exterior, importações, saldo comercial, parceiros econômicos, produtos, energia

Introdução

Embora esteja passando por um momento de crise, provocada principalmente por problemas políticos, o Brasil ainda apresenta uma economia forte e sólida. O país é um grande produtor e exportador de mercadorias de diversos tipos, principalmente commodities minerais, agrícolas e manufaturados. As áreas de agricultura, indústria e serviços são bem desenvolvidas e encontram-se, atualmente, em bom momento de expansão. Considerado um país emergente, o Brasil ocupa o 9º lugar no ranking das maiores economias do mundo (em volume de PIB de 2017). O Brasil possui uma economia aberta e inserida no processo de globalização.

Informações, índices e dados da economia brasileira (resumo):

Moeda: Real (símbolo R$)

PIB de 2017 (Produto Interno Bruto): R$ 6,6 trilhões ou US$ 2,02 trilhões com taxa de câmbio de 01/03/2018 com dólar a R$ 3,26.

Renda per Capita de 2017 (PIB per capita): R$ 31.587 (alta real de 0,2% em relação ao ano anterior). Em dólar: US$ 9.689 (taxa de câmbio de 01/03/2018 com dólar a R$ 3,26).

Coeficiente de Gini: 49,8 (2013) - alto

Evolução do PIB nos últimos anos: 1,3% (2001); 3,1% (2002); 1,2% (2003); 5,7% (2004); 3,1% (2005); 4% (2006); 6% (2007); 5% (2008); - 0,2% (2009); 7,6% (2010); 3,9% (2011); 1% (2012); 2,5% (2013); 0,1% (2014); -3,5% (2015); -3,6 (2016); +1,0% (em 2017).
Desempenho do PIB no ano de 2018 (resultado do 1º trimestre): +0,4% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,4 trilhão.

Desempenho do PIB no ano de 2018 (resultado do 2º trimestre): +0,2% (em relação ao trimestre anterior). Em valores correntes: R$ 1,69 trilhão.

Desempenho do PIB no ano de 2017 (de janeiro a dezembro - anual): +1,0%

Desempenho do PIB no ano de 2017 (de janeiro a março - 1º trimestre): +1,3% (em relação ao trimestre anterior).
Desempenho do PIB no ano de 2017 (de abril a junho - 2º trimestre): +0,7% (em relação ao trimestre anterior).
Desempenho do PIB no ano de 2017 (de julho a setembro - 3º trimestre): +0,1% (em relação ao trimestre anterior).
Desempenho do PIB no ano de 2017 (de outubro a dezembro - 4º trimestre): +0,1% (em relação ao trimestre anterior).
PIB 2017 em valores correntes (dados trimestrais): No 1º trimestre: R$ 1,595 trilhão (US$ 493,8 bilhões – cotação de 01/06/2017 com dólar a R$ 3,23). No 2º trimestre: R$ 1,639 trilhão (US$ 523,6 bilhões – cotação de 01/09/2017 com dólar a R$ 3,13). No 3º trimestre: R$ 1,641 trilhão (US$ 501,8 bilhões - cotação de 01/12/17 com dólar a R$ 3,27). No 4º trimestre: R$ 1,702 trilhão (US$ 522,08 bilhões, com taxa de câmbio de 01/03/2018 com dólar a R$ 3,26).

Taxa de investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo): 16% do PIB (segundo trimestre de 2018)

Carga tributária: 37% do PIB (em agosto de 2018)
Taxa de poupança: 16,4% do PIB (segundo trimestre de 2018)

Inflação:
 2,95% (IPCA de 2017) | 0,45% (IPCA de outubro de 2018) | 3,81% (acumulado de janeiro a outubro de 2018).

Força de trabalho: 105,1 milhões de trabalhadores (entre entre julho e setembro de 2018 - IBGE): 92,6 milhões de ocupados e 12,5 milhões de desocupados.

Taxa de desemprego: 12,7% (taxa média anual de 2017) / 11,9% (entre julho e setembro de 2018) com 12,5 milhões de desempregados.

Brasileiros empregados (população ocupada):
 92,6 milhões de pessoas (entre julho e setembro de 2018 - IBGE).

Rendimento médio dos trabalhadores brasileiros:
 R$ 2.222 (entre entre julho e setembro de 2018 - IBGE).

Taxa básica de Juros do Banco Central (SELIC): 6,50% ao ano (referência: desde 18 de maio de 2018).

Taxa de Longo Prazo (TLP): formada mensalmente por uma parte de juros reais pré-fixados multiplicado por um fator de inflação IPCA. Em março de 2018, a taxa de juros reais pré-fixada é de  0,2223% ao mês (2,70% ao ano).

Salário Mínimo Nacional: R$ 954,00 (a partir de 1º de janeiro de 2018).

Dívida Externa: US$ 322,121 bilhões (setor público e setor privado) - dados relativos a maio de 2018. Fonte: Banco Central.

Dívida Federal Externa: R$ 142,97 bilhões ou US$ 38,26 bilhões (em maio de 2018) - aumento de 6,62% em relação ao mês anterior.

Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi): R$ 3,748 trilhões (em julho de 2018) - queda de 0,14% em relação ao mês anterior.
Dívida Pública (porcentagem do PIB): 65% (em 2017- estimativa)

Dívida pública federal em valores (dívida interna + externa): R$ 3,754 trilhões (em junho de 2018) - aumento de 1,01% em relação ao mês anterior.

Transações correntes (transações do Brasil com o exterior):  em 2017 o déficit foi de US$ 9,8 bilhões (0,48% do PIB). Em julho de 2018, o Brasil apresentou déficit de US$ 4,43 bilhões.

Resultado primário do setor público (união, estados e municípios e suas estatais): déficit de R$ 110,5 bilhões (em 2017) - 1,69% do PIB.
Contas do Setor Público (consolidado)*: déficit primário de R$ 24,621 bilhões em setembro de 2018. * envolve governo federal, estados, municipios e empresas estatais (exceto Eletrobras e Petrobras).

Contas do Governo Federal (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social): déficit primário de R$ 124,4 bilhões (em 2017) - representa 1,9% do PIB. / déficit primário de R$ 24,828 bilhões (em março de 2018) / no acumulado de 2018 (de janeiro a março): déficit de R$ 12,980 bilhões.

Reservas internacionais: US$ 379,4 bilhões (em agosto de 2018).

Produção industrial: +2,5% (em 2017) em relação ao ano anterior. Em setembro de 2018, a atividade da indústria brasileira apresentou queda de 1,8% (em comparação com o mês anterior).

Arrecadação federal (impostos e tributos recolhidos): R$ 1,342 trilhão (sem correção pela inflação) no ano de 2017 aumento real de 0,59% em relação ao ano anterior. Em julho de 2018, a arrecadação foi de R$ 129,6 bilhões (aumento real de 12,8% em relação a julho do ano passado).

Poupança nacional bruta: R$ 869 bilhões (ano de 2016).

Investimentos diretos no país (IDP): US$ 3,897 bilhões (em julho de 2018) / de julho de 2017 a julho de 2018 (acumulado): US$ 64,1 bilhões (3,25% do PIB). No ano de 2017 foi de  US$ 70,332 bilhões, que corresponde a 3,42% do PIB.

Contas externas em 2017 (transações correntes): déficit de US$ 9,762 bilhões (0,48% do PIB).
Contas externas no 1º semestre de 2018 (transações correntes): déficit de US$ 3,5 bilhões.
Comércio Exterior:

Exportações: US$ 217,7 bilhões (2017) - alta de 18,5% em relação ao ano anterior.

Importações: US$ 150,7 bilhões (2017) - alta de 10,5% em relação ao ano anterior.

Saldo da balança comercial (2017): Superávit de US$ 67 bilhões (R$ 218,42 bilhões - conversão em 02/01/2018 com dólar a R$ 3,26). Em janeiro de 2018, ela apresentou superávit de US$ 2,768 bilhões.
Países que o Brasil mais importou (2016): China, Estados Unidos, Alemanha, Argentina e Coreia do Sul.

Países que o Brasil mais exportou (2016): China, Estados Unidos, Argentina, Holanda, Alemanha e Japão

Principais produtos exportados pelo Brasil (2016): minério de ferro, ferro fundido e aço; óleos brutos de petróleo; soja e derivados; automóveis; açúcar de cana; aviões; carne bovina; café e carne de frango.

Principais produtos importados pelo Brasil (2016): petróleo bruto; circuitos eletrônicos; transmissores/receptores; peças para veículos, medicamentos; automóveis, óleos combustíveis; gás natural, equipamentos elétricos e motores para aviação.

Organizações comerciais que o Brasil pertence: MercosulUnasul e OMC (Organização Mundial de Comércio).

Tipos de energia consumida no Brasil (dados de 2017):

- Petróleo e derivados: 37,5%

- Hidráulica: 14,5%

- Gás natural: 10%

- Carvão Mineral: 5,1%

- Biomassa: 21,2%

- Lenha: 9,4%

- Nuclear: 1,5%

- Eólica: 0,7%

Principais produtos agrícolas produzidos: café, laranja, cana-de-açúcar (produção de açúcar e álcool), soja, tabaco, milho e mate.

Principais produtos da pecuária: carne bovina, carne de frango e carne suína.

Principais minérios produzidos: ferro, alumínio, manganês, magnesita e estanho.

Principais setores de serviços: telecomunicações, transporte rodoviário, técnico-profissionais prestados à empresas, transporte de cargas, limpeza predial e domiciliar, informática, transportes aéreos e alimentação.

Principais setores industriais: alimentos e bebidas, produtos químicos, veículos, combustíveis, produtos metalúrgicos básicos, máquinas e equipamentos, produtos de plástico e borracha, eletrônicos e produtos de papel e celulose.

Fontes: IBGE, Ministério de Minas e Energias, Banco Mundial, CIA The World Factbook e MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

SIGA O PORTAL JORGE GONDIM NO INSTAGRAM E FIQUE POR DENTRO DE TUDO! CLIQUE/TOQUE AQUI.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dupla Gian & Giovani surpreendem os superidosos no programa Eliana neste domingo

Beca Milano faz aniversário e recebe homenagem emocionante

Poder em Foco promove 'mesa redonda' sobre segurança pública neste domingo; veja convidados